Pombos perdidos

Pombos perdidos - pombos - produtos para pombos - produtos para columbofilia

Pombos perdidos

Pombos perdidos

Pombos perdidos, achados, atrasados e reuperados

Em relação aos pombos perdidos todos os anos, é sempre a mesma coisa, a “sementeira” do costume.

No inicio dos treinos e campanha desportiva verificam-se perdas avultadas,

Para não dizer mesmo muito avultadas.

 Pombos perdidos regra geral são borrachos / yearlings, e porquê?

Ainda estão a aprender a andar e,

Já têm de fazer corrida e orientação.

gatinhar

Uma máquina com muito menos capacidade e potência, não tem o mesmo rendimento nem faz o mesmo trabalho que uma com capacidades superiores; caso contrário não existia a necessidade de evolução da máquina.

Então porque têm os borrachos muito menores capacidades ?

Variando um bocado com as raças (precocidade), mas de um modo geral os pombos jovens até mais de um ano de idade encontra-se em desenvolvimento físico.

O desenvolvimento físico implica maior tamanho, mais massa muscular, órgãos maiores e mais tecidos de reserva e para reserva de substâncias.

Maior tamanho, implica maior e mais espaço para albergar os órgãos, permitindo uma amplitude superior dos órgãos.

Essa amplitude é muito importante principalmente a nível dos sacos aéreos e pulmões (nas aves apresentam pouca elasticidade) para satisfação das necessidades de oxigenação do organismo.

Massa muscular – sendo os músculos responsáveis pelo trabalho, armazenamento e queimas das reservas para a produção de energia, facilmente se compreende a necessidade do seu desenvolvimento e treino.

Orgãos maiores

Orgãos maioresos diferentes orgãos do organismo executam inúmeras funções, desde a digestão, oxigenação, filtragem, desintoxicação e bombagem.

Para o mesmo trabalho, para a mesma distância, para a mesma velocidade, para o mesmo endurance, para a mesma regularidade; órgãos “atrofiados” respondem de forma inferior.

Tecido de / e para reserva – as reservas de substâncias encontram-se a nível de determinados órgãos e tecidos.

As substâncias de reserva mais significativas são as gorduras e o glicogénio.

A produção e acumulação de gorduras no e para o tecido adiposo dá-se quando o organismo tem as suas necessidades energéticas satisfeitas.

Dois factos curiosos das gorduras:

– Gordura produz gordura (o tecido adiposo também produz gordura);

– Constantemente a ser produzida, acumulada e renovada.

As gorduras estão em constante circulação e renovação, ou seja, queimam-se determinadas gorduras e formam-se outras para o seu lugar.

Este facto implica, uma vez “gordo”, sempre gorduras em circulação, sempre a serem formadas e desdobradas.

O fígado não descansa com as gorduras.

HepatoxTotal+ e VitaAminoPlus são uma boa ajuda.

O tecido adiposo, gordura armazenada como fonte energética alternativa à glicose e glicogénio.

Também são armazenadas gorduras a nível dos músculos, como fonte de reserva muito próxima para satisfação das necessidades energéticas.

As gorduras dos músculos são as primeiras a serem gastas, isto também implica que uma vez “gordo”, sempre gordo.

As gorduras depositadas e acumuladas não são gastas com facilidade, até porque gordura produz gordura.

O tecido adiposo é fundamental, principalmente nos períodos frios, servindo como já vimos de fonte de reserva energética e como camada protetora para os pombos perdidos face às baixas temperaturas (frio).

Desculpe interromper; vai uma “cevadinha”?

Nota: Ter sempre o mesmo “fato” e andar a 70 ou 80 km/ hora a baixas temperaturas, custa a resistir.

Quer saber mais um facto curioso sobre as gorduras?

Mesmo que não queira, eu vou “dizer”.

Que o vai deixar a pensar.

Com a idade, regra geral os seres vivos perdem músculo e ganham gordura.

Agora pergunto-lhe, será que este facto tem importância para:

– Os pombos perdidos no início dos treinos e provas serem borrachos?

– A idade dos pombos que devem voar o fundo e grande fundo?

– Os pombos que ganham os “Barcelona” internacionais?

E as vias respiratórias superiores, qual a sua influência?

As vias respiratórias superiores são responsáveis pelo aquecimento, filtragem e humedecimento do ar inspirado.

Nos jovens (nos humanos acontece o mesmo), as vias respiratórias superiores encontram-se pouco desenvolvidas, assim como o reflexo de expulsão dos mucos.

O tempo frio e humidades relativas do ar elevadas originam mais irritação, inflamação e produção de mucos, logo mais obstrução e contaminação.

Estes factos devem merecer da parte dos #columbófilos uma particular atenção

pombos perdidos, abertura da fenda palatina inflamada  pombos perdidos, abertura da fenda palatina

Em columbofilia muitos fatores estão interligados, os resultados e as ocorrências são a resultante do conjunto global.

Com o acima exposto, não estou a defender os pombos grandes, mas sim a preparação, o desenvolvimento, a aquisição de capacidades e experiência; abordamos alguns destes fatores:

Ainda estão a aprender a andar e,

Já têm de fazer corrida e orientação.

Capturar

Preparação física e cognitiva

Fisicamente – Voar 1 hora à volta do pombal, sem precisarem de se orientar, ao ritmo que lhes apetece, é muito diferente, de serem soltos a uma distância de 50 ou 60 km.

Pior mesmo quando a orientação se complica, ou aves de rapina atacam, ou são arrastados por outros bandos.

Os “treinos em linha” nos quais queremos capacitar as faculdades de orientação, primeiro de tudo devem servir para ir aumentando o endurance e a resistência dos pombos.

Primeiro de tudo deve desenvolver as capacidades físicas que lhe permitem resistir às adversidades.

“Eu até sei o caminho, mas não tenho “pernas” para lá chegar.”

Muitas vezes até chegam, com muito esforço e desgaste, o qual origina grande debilidade dos órgãos e desgaste dos músculos, surgindo micro roturas musculares muito agravadas, que também podem ser só consequência do tempo frio ( não sabem fazer o aquecimento antes do voo).

Experiência

A inexperiência é um dos grandes fatores de stress.

Verifica-se muito nos pombos jovens, principalmente quando são encestados, logo se amontoam num canto das jaulas.

Em relação a esta situação sempre podemos colocar poucos pombos em cada jaula e intermediar com pombos mais experientes, de preferência fêmeas; sempre menos agressivas nas jaulas.

 treino e orientação dos pombos


treino e orientação dos pombos

Capacidades de orientação e espirito individualista (líder)

Devem ser desenvolvidas as capacidades de orientação através de treinos aos diferentes pontos cardeais, com diferentes condições atmosféricas.

Os treinos devem ser sempre graduais para “sedimentação” do processo de aprendizagem e reconhecimento de zonas.

As aves tem o sentido gregário, daí a expressão “parecem um bando…”.

Os pombos devem ser treinados individualmente, para ter a capacidade de não se deixarem “arrastar” e virem sozinhos para casa. Só assim ganham aos outros pombos.

Capturar

 Tenha menos pombos perdidos,  considere os seguintes factores:

-Cuidados no dia do enjaulamento,

saiba mais, siga o link   http://www.carlosteixeira.loftgest.com/

-Capacidades limitadas, ou pouco desenvolvidas no início de época de treinos principalmente dos pombos jovens;

– Uma boa alimentação / nutrição, satisfazendo as necessidades para manutenção, crescimento, treino e criar algumas reservas;

– Não esquecer que o frio “come muito”;

Condições atmosféricas adversas, evitar treinos e provas nas horas e dias com temperaturas muito baixas;

– Evitar dias e zonas de neve; os pombos orientam-se pior;

Treinos de diferentes níveis/tipos (cesto, tempo de enjaulamento, de solta, de orientação individual e resistência gradual).

Um treino interessante é soltar os pombos a curta distância quando os pombos de outros columbófilos se encontram a voar à volta do seu pombal.

Os pombos juntam-se todos, andarão muito tempo juntos (resistência) e a seguir tomam a iniciativa de deixarem o bando e irem para “casa“.

É um bom treino com baixo risco.

Recuperação – depois de treinos difíceis ou mal sucedidos aumentar o tempo de recuperação.

– Cuidado com as amplitudes térmicas (pombal / jaula / transporte / solta / chegada);

-Atenção particular às vias respiratórias superiores e à sua desobstrução / desinfeção;

– Locais de treinos e condições mais difíceis, ou maior risco, colocar pombos mais experientes conjuntamente;

-Pombos pouco experientes e mal preparados não devem ser treinados nos dias de grande “cruzamento” e “arrastamento” de pombos;

– Evitar zonas de grandes concentrações de pombais / pombos.

Ideal seria treinar os borrachos / yearlings  no inicio da Primavera, seriam menos os pombos perdidos, porque:

-As condições atmosféricas são favoráveis ;

– Os borrachos / yearlings já se encontram mais desenvolvidos e mais treinados;

– A deriva de pombos, cruzamento de pombos e a quantidade de pombos é menor;

– Existe mais fauna “disponível” para alimentar as aves de rapina;

– Os dias são maiores, permitindo o treino bidiário.

– O melhor de tudo seria fazer como fazem quase todos os países europeus, e muitos da América;

campeonato de pombos no ano do seu nascimento.

Quais as vantagens:

Competição de pombos no ano de nascimento, para quando em Portugal?

Num próximo artigo abordaremos os prós e contras deste tipo de competição.

Se gostou deste artigo subscreva a nossa newsletter.

compartilhe com amigos

siga-nos no facebook

visite www.carlosteixeira.loftgest.com.

#Borrachos / # pichones / #yearlings / #pigeons / #campanha desportiva

#Pombos perdidos  #pombos achados 

 

Trabalho da autoria de:

Carlos Teixeira

 

SUBSCREVA A
NOSSA NEWSLETTER

 

Share this post