Preparação para a próxima prova

Preparação para a próxima prova

Preparação para a próxima prova

A preparação para próxima prova /concurso inicia-se na chegada da prova anterior.

Antes de ler este artigo aconselhamos a ver o artigo intitulado:

 Os concursos começam na véspera click aqui para visualizar.

Se já leu, então tem de ler este artigo.

Depois de ler este artigo vais ter curiosidade em ler o artigo intitulado:

“Variações dos diferentes parâmetros fisiológicos na recuperação e preparação do pombo.”

Preparação para a próxima prova.

No artigo “Os concursos começam na véspera” abordamos diversas situações e fatores a que os pombos estão sujeitos no dia do encestamento e as formas e os meios para minimizar esses efeitos;

interessa registar esses efeitos, sim porque eles deixam as suas marcas nos pombos e condicionam também a preparação para a próxima prova.

Estamos a faltar de stress, desidratação, consumo de substâncias, intoxicações, alteração da flora intestinal, fadiga, abaixamento da resistência física e imunitária.

E o que se passa depois do encestamento nas colectividades e durante o transporte dos pombos?

Durante o transporte, milhares de pombos ficam enclausurados num espaço reduzido, numa atmosfera contaminada e com ventilação deficiente, com temperaturas variáveis e condições propícias ao desenvolvimento e contaminação microbiana.

Aliado ao maior ritmo respiratório e cardíaco, o que implica um maior volume de ar contaminado inspirado; e a infeção respiratória pela certa.

Não esquecendo que muitos pombos vomitam e outros ingerem; uma bela troca contaminante de bactérias, tricomonas, fungos e por vezes de vermes (capilares e da traqueia).

Resumindo, quando o pombo é solto transporta uma boa carga microbiana infetante.

Durante o voo, quais as principais alterações físicas e fisiológicas afetadas:

– Consumo de substâncias, combustível para o voo

Inicialmente o pombo começa por gastar a energia pura circulante (glicose) e a armazenada no fígado e músculos, o glicogénio.

Calma que ainda vamos nos primeiros quilómetros!…

Uma oxigenação deficiente origina uma maior queima anaeróbia de açucares, diminuindo o rendimento energético e o aumento da produção e acumulação de acido láctico (provoca intoxicação e cansaço muscular).

Em seguida são consumidas as gorduras circulantes e as que se encontram distribuídas pelos músculos e fígado e depois as gorduras de reserva (gorduras acumuladas).

Em casos mais extremos, e provas mais desgastantes, toda a gordura é consumida, o organismo recorrer às proteínas. Este processo é mais penalizador, os resíduos da digestão das proteínas são mais tóxicos para o organismo e requer mais água.

As gorduras e as proteínas são transformadas em elementos energéticos através de um processo chamado neoglicogénese.

Sequência de consumo das substâncias para satisfação energética.

Glicose sangue —»»» glicogénio –»» gorduras —-»»» proteínas.

A nível muscular acumula-se acido láctico resultante do desdobramento incompleto dos hidratos de carbono, no fígado corpos cetónicos resultante do metabolismo das gorduras e acido úrico a nível dos rins, como subproduto da digestão das proteínas, sendo a eliminação destas substâncias prejudicada pela desidratação.

É verdade, estás difícil mesmo.

E  A PROVA CONTINUA…

TENTA DAR O MELHOR!

ORIENTA-TE; NÃO TE DISTRAIAS.

OH!… CUIDADO COM OS INIMIGOS

MORTINHO PARA CHEGAR A “CASA”.

FINALMENTE CÁ ESTÁ ELE!…

Apresentando o seguinte “quadro”:

Músculos (ácido láctico);

– Fígado (corpos cetónicos);

– Rins (acido úrico);

Intestinos (excesso de sais biliares e flora intestinal afetada);

Vias respiratórias (contaminadas);

Sistema imunitário debilitado;

Desidratação e falta de “combustível” para a “máquina” trabalhar.

Fisicamente todo “roto”, mostra um “sorriso” com a alegria de chegar a “casa”.

Para a semana há mais.

Cuidados para minimizar os efeitos da prova e promover a recuperação e preparação para a próxima prova.

A melhor recuperação é a prevenção, evitando os efeitos nefastos que a prova vai exercer sobre o pombo.

Os cuidados do dia de encestamento ajudam a melhorar as performances desportivas e a minimizar os efeitos nefastos do dia da prova.

Mais vale prevenir a intoxicação do que ter de desintoxicar.

Após a chegada, quais os cuidados?

pombal deve ter uma temperatura amena e sem correntes de ar.

Os pombos chegados devem ficar livres no pombal, permitindo algum exercício para “arrefecimento” corporal gradual e favorecer libertação do ácido láctico dos músculos.

abeberamento não deve ser imediato; pombos desidratados e cansados, através de um falso trajeto, introduzem água nos pulmões, ocorrendo asfixias.

As sementes administradas devem ser “miúdas”, de bom valor alimentar e digestibilidade, pouco teor em fibra e não serem muito ricas em proteínas e gorduras, previamente demolhadas durante 12 horas; saiba as suas vantagens: http://www.pigeons.pt/sistema-digestivo-hepatico-das-aves/

A administração de produtos na água de bebida logo após a chegada, como açucares e electrólitos, entre outros (concentrações elevadas), devem ser acautelados.

O pombo encontra-se desidratado, ou seja, falta-lhe água no organismo, o que na prática implica um meio concentrado ou hipertónico. administrando substâncias que aumentam a concentração iónica, estamos a prejudicar a homeostasia normal dos tecidos e órgãos.

Quando um pombo desidratado bebe água salgada morre, devido a grande concentração de sais, dá-se o rebentamento das membranas de muitas células, como as dos glóbulos do sangue (veja plasmólise e turgescência).

 Prevenir contaminações e infeções

O pombo regressado de uma prova é portador e contaminador de infeções aos seus coabitantes.

Os dois principais pontos de contaminação e infeção são as narinas (infecções respiratórias) e o bico (infeções digestivas).

Os principais órgãos e meios de defesa do organismo (mucosas, flora intestinal, enzimático, imunitário e fígado) encontram-se debilitados, pelo que é necessária uma intervenção rápida e eficaz a fim de:

– Eliminar por contacto microrganismos patogénicas das mucosas (OxygenPlus e HexaPlus);

-Satisfazer as necessidades alimentares, facilitando a digestão e preparação para a próxima prova;

-Repor a flora intestinal, garantindo-lhe o substrato ideal para o seu rápido desenvolvimento e colonização no meio e na parede intestinal (ProbioticTotalB);

-Promover a proteção e desintoxicação hepática (HepatoxTotal+);

-Hidratar o organismo e estabelecer a sua homeostasia e desintoxicação geral (Formix).

Para minimizar o desgaste da prova / concurso, facilitar a recuperação e prevenir infeções, aconselha-se o seguinte tratamento de chegada:

Chegada da prova

Sementes demolhadas + HepatoxTotal + ProbioticToatlB

Água com HexaPlus

Noite da chegada da prova

Sementes demolhadas + HepatoxTotal+ProbioticToatlB

Água com Formix

Narinas – OxygenPlus, uma gota em cada narina.

Segue-se a recuperação, estabilização e preparação para a próxima prova, para isso devemos conhecer:

“Variações dos diferentes parâmetros fisiológicos na recuperação e preparação do pombo.”

Assunto que abordaremos noutro artigo.

Nota:

A ausência de alimento / substrato no intestino, as descargas biliares e outros tóxicos, a variação de pH, alteram e eliminam a flora intestinal saprófita.

O fígado é um dos principais órgãos, e dos mais sobrecarregados durante as provas, tem de sintetizar e desdobrar muitas substâncias, intoxica, deixa de realizar funções vitais.

Trabalho elaborado por

Carlos Teixeira

.

Share this post